Fórum Estadual de Alagoas

  • Noticias

  • Agenda

  • Biblioteca

  • Contato

Notícia

09/10/2017 11:57:28 - Atualizado em 09/10/2017 11:59:58


31 mil crianças e adolescentes estão em situação de trabalho infantil em AL

Representante do Fetipat-AL, Marluce Pereira, apresenta características do trabalho infantil no estado em entrevista para TV

 
Em Alagoas, 31 mil crianças e adolescentes estão em situação de trabalho infantil, de acordo com a PNAD 2015. Mais da metade atua na agricultura. As que estão nas áreas urbanas trabalham em sinais, nas praias, nas feiras livres, informou a representante do Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Trabalhador Adolescente (Fetipat-AL), Marluce Pereira, em entrevista a um programa de televisão. 
 
Ela destacou o trabalho realizado para o combate e a prevenção a essa violação de direitos, que resultou numa redução de mais de 35% no estado. Entre eles, ações para retirar meninas e meninos do trabalho em feiras livres em diversas cidades. 
 
“O trabalho infantil interfere nos desenvolvimentos psicológico e físico. São crianças que não têm condições físicas para exercer determinadas atividades que, se não provocam lesões imediatas, vão provocar a longo prazo e podem se apresentar na idade em que a pessoa estiver apta a trabalhar”, ressalta Marluce. 
 
A representante do Fetipat alerta que o trabalho infantil é uma das causas para o abandono escolar. Em Alagoas, de acordo com dados divulgados pelo INEP referentes aos anos de 2015 e 2016, as taxas de abandono são de 12% na área rural e 11% na área urbana. 
 
Marluce ressaltou dois fatores essenciais para a perpetuação do trabalho infantil: a desigualdade social e a naturalização do trabalho infantil. “Dados do MDS (Ministério do Desenvolvimento Social) mostram o crescimento da extrema pobreza em 6% entre 2-10 e 2016. Além disso, tem o mito de que é melhor a criança trabalhar do que roubar. É preciso um diálogo com a sociedade. Nós, enquanto sociedade, quando permitimos e naturalizamos o trabalho precoce estamos legitimando uma violação de direitos”, disse. 
 
“A criança na rua está submetida a uma série de violências. Ela pode ser aliciada para o tráfico ou para a exploração sexual, pode sofrer abusos. Precisamos respeitar o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) e a Constituição que dizem que a criança é prioridade absoluta e a ela deve ser garantida toda a proteção social, o que passa por respeitar a fase de desenvolvimento, em que ela precisa brincar e estar na escola”, defendeu.
 
Assista a entrevista completa em: https://goo.gl/H75yNG

Fonte: Programa Pausa II


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Redes sociais como aliadas no combate ao trabalho infantil

Artigo publicado pela pedagoga Débora Garofalo no site Chega de Trabalho Infantil orienta professores a utilizarem a internet

Trabalho infantil no Carnaval. O que nós temos a ver com isso?

Artigo da coordenadora do Fórum Paulista de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, Elisiane Santos, chama a atenção para essa violação de direitos

PB: Conapeti divulga nota sobre deputado que elogiou trabalho infantil

Deputado estadual Doda de Tião incentivou em uma rede social uma criança que trabalhava vendendo picolé

Trabalho infantil não é folia! Participe da campanha do MPT

Objetivo da ação é alertar para a situação de crianças e adolescentes que trabalham durante o Carnaval