Fórum Estadual de Alagoas

  • Noticias

  • Agenda

  • Biblioteca

  • Contato

Notícia

11/01/2018 22:48:33 - Atualizado em 15/01/2018 12:11:25


Atividades transformam a vida de crianças e adolescentes

Nessas atividades, eles aprendem a cozinhar, montar barracas, acampar e preservar a natureza.

Os núcleos dos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) para crianças e adolescentes atendem meninos e meninas, entre 6 e 15 anos, em situação de vulnerabilidade social, retirados de situação de trabalho ou submetidos a outros tipos de violações de direitos. Esse serviço é ofertado nos 15 Centros de Referencia de Assistência Social (Cras) da capital. Diariamente acontecem atividades socioeducativas, culturais, esportivas e de lazer.

O Serviço de Convivência do Cras Dom Adelmo  Machado,  localizado no bairro do Prado, é um das unidades que  atendem crianças e adolescentes da região. Essa unidade tem um diferencial, pois  oferece a crianças e adolescentes atividades do grupo Escoteiros Florestais.

Criado há 20 anos pelo Coronel Fidélis, que integra a corporação da Polícia Militar de Alagoas, o grupo é uma vertente dos escoteiros florestais e foi formado com os participantes dos grupos do Serviço de Convivência do Cras Dom Adelmo e incorpora, em sua organização, crianças, adolescentes e idosos que são assistidos no equipamento social da Semas.

Os escoteiros aprendem noções de meio ambiente e civismo.  Nessas  atividades, eles aprendem a cozinhar, montar barracas, acampar e preservar a natureza. O encontro dos Escoteiros Florestais acontece todos os sábados a partir das 9h, no Cras Dom Adelmo na Rua João Ulisses Marques, 112, Prado.  Para mais informações, o telefone de contato é o 3315-1586. As crianças da região que quiserem participar do grupo de escoteiros devem se dirigir até a unidade com um responsável.

Fonte: Vanessa Napoleão/ Ascom Semas


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Adolescente de João Pessoa morre durante trabalho em pedreira

Vítima tinha 16 anos e caiu de uma altura de 20 metros; o trabalho em pedreiras é uma das piores formas de trabalho infantil

Adolescentes viajam por 10 estados para falar de participação cidadã

Confira o relato do integrante do Conapeti, Felipe Caetano, sobre o projeto que divulga a importância da manifestação jovem

Trabalho infantil: uma conversa que foi além da sala de aula

Débora Garofalo, professora de São Paulo, conta à revista Nova Escola como motivou alunos a combater a evasão escolar

AP: Escritora produz livro sobre trabalho infantil na Amazônia

Publicação infantojuvenil 'Pescadores de Sonhos' foi impresso com o auxílio do MPT