Fórum Estadual de Alagoas

  • Noticias

  • Agenda

  • Biblioteca

  • Contato

Notícia

07/08/2018 02:27:33 - Atualizado em 22/08/2018 16:32:13


TRT realizará audiência pública sobre cotas de aprendizagem

O evento acontecerá nesta segunda-feira (13), das 14 às 16 horas, no pleno do TRT/AL

A Constituição Federal veda o trabalho de crianças e adolescentes e excetua apenas a possibilidade de contratação de jovens a partir dos 14 anos, desde que respeitadas as normas previstas na Lei da Aprendizagem. A norma estabelece regras claras de proteção ao jovem, que pode entrar no mercado de trabalho com a garantia de direitos trabalhistas e sem abandonar os estudos.

De acordo com dados da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio (PNAD) de 2015, 2,7 milhões de crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos estavam trabalhando no Brasil, sendo que 2,3 milhões estão no grupo compreendido entre os 14 e os 17 anos. A maioria delas em situação de trabalho proibido. Isso porque, deste total, apenas cerca de 500 mil adolescentes estavam contratados pelo programa Jovem Aprendiz naquele ano.


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Juiz da Infância alerta sobre a proibição do trabalho infantil no carnaval de Salvador

O juiz Walter Ribeiro, da 1ª Vara da Infância e Juventude de Salvador, publicou portaria estabelecendo parâmetros protetivos para que crianças e adolescentes participem das festas de carnaval.

Incêndio no Flamengo, clube mais rico do país, acende alerta de segurança em categorias de base

Reportagem do jornal El País aborda as condições dos jogadores mantidos em categorias de base nos clubes de futebol brasileiros.

Banco Mundial lança plataforma interativa para observar avanços dos objetivos globais

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável foi adotada pelos países-membros da ONU no fim de 2015.

Brasil é o 11º no ranking de abuso e exploração sexual infantil, revela relatório mundial

Reportagem da revista Crescer mostra dados do relatório Out of the Shadows, publicado pela revista britânica The Economist.