Fórum Estadual do Amapá

  • Noticias

  • Agenda

  • Biblioteca

  • Contato

Notícia

14/05/2018 13:27:34 - Atualizado em 14/05/2018 13:27:35


Fiscais do MTE identificaram cerca de 570 casos de trabalho infantil em 2017 no AP

Crianças e adolescentes atuam, na maioria, na pesca e no comércio ambulante

Atividades de pesca e o comércio ambulante lideraram os registros de trabalho infantil em 2017, de acordo com o relatório de fiscalizações do Ministério do Trabalho (MTE). Foram quase 600 ações dos auditores que identificaram em torno de 570 crianças e adolescentes de 10 a 17 anos atuando no mercado formal e informal.
 
O MTE atuou nos 16 municípios do estado para identificar atividades que ofereçam perigo ou sejam proibidos para essa faixa etária. Ao todo, são cerca de 8 mil crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil, segundo dados de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
 
A legislação especifica que de 14 a 16 anos, o adolescente só pode trabalhar na modalidade de aprendiz, e dos 16 aos 18 anos, pode trabalhar com carteira assinada desde que não seja em atividades noturnas, insalubres ou perigosas. Apesar disso, os fiscais encontraram menores em lixões, em plantações e até na atividade garimpeira.
 
Maiores registros de fiscalizações de trabalho infantil em 2017
 
  • Comércio de doces, balas e semelhantes – 131
  • Pesca de peixes em água doce – 108
  • Atividades de apoio à pesca em água doce - 12
 
O MTE não detalhou entre as fiscalizações qual a porcentagem de adolescentes atuando em situação ilegal, mas apontou que os maiores registros aconteceram nos municípios de Tartarugalzinho, Calçoene e Serra do Navio, três cidades com áreas de exploração mineral.
 
O trabalho infantil não acontece apenas de forma remunerada, explica o MTE. Muitas funções são exercidas dentro de casa, para parentes, auxiliando na produção agrícola familiar, entre outros.
 
"A maior parte do trabalho infantil está na Zona Rural, na agricultura e a maioria são meninos. Na mentalidade das famílias, a forma mais fácil de livrar esse menor da violência e das drogas é o trabalho infantil, o que é um equívoco", comentou Marcos Marinho, da Seção de Inspeção do MTE.
 
Outra questão também apontada nas fiscalizações, é a alegação das famílias de que o trabalho da criança ou do adolescente é fundamental para o complemento da renda, onde essa função supera a importância da educação e muitos deixam a escola.
 
"A justificativa é, na maioria das vezes, para complementar a renda porque o Bolsa Família não é suficiente. A família tem que entender que a educação é investimento. Geralmente o valor recebido nas atividades lícitas é muito pequeno diante daquele que ele pode ganhar no futuro com a educação", completou Marinho.

Fonte: G1


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

FNPETI realiza última plenária do ano

Encontro sucedeu oficina para discussão sobre participação de adolescentes com integrantes da rede do Fórum

Participantes de Seminário Nacional divulgam Carta de Brasília pela Erradicação do Trabalho Infantil

Documento conclama a necessidade de eliminação das piores formas de trabalho infantil, entre outros pontos

CONTAG repudia proposta de modalidade de ensino à distância no campo

Educação do campo precisa acontecer no campo e com currículos escolares ajustados ao contexto e à realidade dos povos do campo

MIEIB lança nota pública em defesa da democracia e dos direitos humanos

Nota refere-se ao contexto das eleições para Presidência do Brasil