Fórum Estadual do Amazonas

  • Noticias

  • Agenda

  • Biblioteca

  • Contato

Notícia

08/02/2018 12:11:39 - Atualizado em 08/02/2018 12:11:39


Governo cria grupo para combater trabalho infanto-juvenil no Amazonas

Censo feito pelo IBGE, em 2010, registrou 44.894 casos de trabalho infantil em 43 municípios amazonenses

Com o objetivo de coordenar as ações de enfrentamento ao trabalho infanto-juvenil no Amazonas, foi instalado, na sexta-feira (2), o Grupo Gestor Estadual do Programa de Ações Estratégicas de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti). O Grupo foi criado a partir de portaria da Secretaria de Estado da Assistência Social (Seas).
 
O evento de lançamento do Peti contou com a participação dos 27 membros que compõem o grupo. São secretarias estaduais, parceiros do Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente (SGD) e representantes da indústria, comércio e serviço.
 
Casos invisíveis
No resultado do censo de 2010, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) registrou 44.894 casos de trabalho infantil, em 43 municípios amazonenses.
 
De acordo o Ministério Público do Trabalho (MPT), que também integra o Grupo Gestor, esse é um número que pode estar disfarçado, já que, atualmente, as principais incidências do trabalho infantil encontram-se na produção familiar, no trabalho doméstico e na agricultura familiar, dificultando a visibilidade dos casos.
 
“Não somente as crianças e os adolescentes que fazem malabares nos sinais, vendem bombons e engraxam sapatos estão nessa situação irregular que viola seus direitos. No Amazonas, ainda ocorrem aqueles casos em que crianças e adolescentes são responsáveis pelos trabalhos dentro de casa e pela guarda dos irmãos mais novos”, afirma a procuradora do trabalho, Alzira Costa.
 
“Há aqueles casos em que elas deixam o interior do estado e partem em direção à capital para trabalhar em casas de família, exercendo atividades que configuram trabalho infantil”, complementa.
 
Criança no carnaval
A primeira ação do Grupo Gestor será acompanhar no período das festas carnavalescas, o cumprimento da portaria do Juizado da Infância e da Juventude que proibe a entrada, a permanência e a participação em bailes e desfiles carnavalescos (Sambódromo) de crianças com idade inferior aos 5 anos de idade, com exceção dos bailes infanto-juvenis (matinês) devidamente regularizados. 
 
Para a presidente do Conselho Estadual dos Direitos das Crianças e do Adolescente, Amanda Ferreira, a portaria é uma forma de combater o trabalho infantil e a violência sexual contra crianças e adolescentes no período do Carnaval.
 
 
 

Fonte: A Crítica


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

SINAIT comemora 30 anos de existência com seminário

“Seminário Internacional 30 anos da Constituição Cidadã e um ano da Reforma Trabalhista” reúne especialistas em Brasília

Aberta a votação do Eleitor Mirim, onde criança também tem voz!

Programa é realizado em anos eleitorais, com a contribuição de professores

FNPETI participa da cerimônia de posse do Comitê de adolescentes do CDCA

Mais de 30 adolescentes tomaram posse no Conselho do DF

FNPETI participa de roda de conversa com adolescentes e jovens do Programa Primeiro Passo

A importância do voto no exercício da cidadania e o papel dos políticos foram os temas da conversa