Fórum Estadual da Bahia

  • Noticias

  • Agenda

  • Biblioteca

  • Contato

Notícia

09/05/2017 15:45:48 - Atualizado em 09/05/2017 15:45:48


Projeto de aprendizagem beneficia 200 jovens em situação de vulnerabilidade

Aulas começam hoje com o objetivo de inserir adolescentes e jovens no mercado de trabalho

Duzentos jovens de Salvador em situação de vulnerabilidade social começaram em 4 de maio, a frequentar aulas em cursos profissionalizantes oferecidos pelo Ministério do Trabalho, em parceria com o Ministério Público do Trabalho (MPT), o Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) e a Defensoria Pública do Estado Bahia (DPE). Também contribuíram para viabilizar a oferta das qualificações a Fundação da Criança e do Adolescente (Fundac) e a Fundação Cidade Mãe.

“Esses cursos são importantes para fomentarmos a aprendizagem profissional e também para lembrar a sociedade que quando falamos de jovem aprendiz estamos falando do futuro do país. Temos que valorizar nossos jovens para que tenhamos um Brasil melhor”, disse o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

Os cursos serão disponibilizados por meio de dois projetos: Sinaleiras e Cidadão Aprendiz, com o objetivo de inserir adolescentes e jovens de 14 a 18 anos no mercado de trabalho. Eles terão a carteira de trabalho assinada por período superior a um ano, tempo em que receberão meio salário mínimo, vale-transporte e tíquete alimentação, além do depósito de 2% do valor da bolsa no FGTS.

Os contratos de aprendizagem profissional foram assinados com 17 empresas que descumpriam a cota mínima de aprendizes e que não tinham estrutura para receber os jovens em suas instalações. Com isso, as empresas custearão os salários e os jovens farão a parte prática do curso em órgãos públicos e no Colégio Odorico Tavares, onde acontecerão as aulas ministradas por professores do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).

Os cursos oferecidos são: técnico em informática e auxiliar administrativo. As duas capacitações acontecerão em duas turmas de um turno, permitindo que os adolescentes possam manter a frequência escolar no turno oposto.

Fonte: Ministério do Trabalho


Deixe seu comentário

Login

Comentários (1)

Antonio Ferreira

10 de Maio de 2017 às 20:00:34
A aprendizagem é uma alternativa para ingresso seguro no mercado de trabalho. Carteira de Trabalho, prioridade aos estudos e dosagem das horas de prática na empresa.

Destaques

Governo contingencia recursos para fiscalização dos trabalhos infantil e escravo

Para FNPETI, decisão é inaceitável e pode resultar em aumento do número de crianças e adolescentes exploradas no trabalho

As meninas e os objetivos de desenvolvimento sustentável

Publicação da Plan International Brasil amplia olhar sobre questões que afetam a infância

Projeto ONDA: Afeto como direito (trans)formador

Meninas da socioeducação de Santa Maria criam programa de rádio sobre afetividade e discutem transexualidade

27 anos do ECA: Gibi ilustra lei de forma simples e divertida

Conheça o trabalho de Edson Pelicer, ilustrador e arte-educador que torna o ECA mais acessível para crianças e adolescentes