Fórum Estadual do Distrito Federal

  • Noticias

  • Agenda

  • Biblioteca

  • Contato

Notícia

05/09/2016 10:02:16 - Atualizado em 06/09/2016 11:48:14


Brasília recebe exposição itinerante do TST sobre trabalho infantil

Mostra, que já passou por outras cidades, apresenta em Brasília acervo inédito que retrata o trabalho infantil no Lixão da Estrutural

Entre os dias  2 a 23 de setembro, o Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT10), com sede em Brasília, receberá a exposição itinerante "Um Mundo Sem Trabalho Infantil". A mostra é promovida pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) como parte das ações do Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estímulo à Aprendizagem da Justiça do Trabalho, em parceria com a Comissão de Documentação do TST.

A exposição, que já passou por outras cidades, reúne um amplo acervo de fotografias, depoimentos, vídeos, documentos, jogos e material educativo para conscientizar os visitantes sobre os riscos que o trabalho infantil representa. Há ainda painéis interativos, que permitem experimentar as dificuldades o trabalho realizado por crianças.

Fotos inéditas – O acervo da exposição do TST ganhará um reforço especial no TRT10: imagens inéditas de um ensaio do jornalista e fotógrafo Mauro Burlamaqui sobre o Lixão da Estrutural, o maior aterro sanitário da América Latina, localizado no Distrito Federal. A incidência de trabalho infantil no local é alvo de uma ação civil pública do Ministério Público do Trabalho que está sendo analisada pela Justiça do Trabalho do DF.

A ação tem o intuito de garantir a proibição do acesso de crianças e adolescentes no aterro que recebe, em média, oito toneladas de lixo todos os dias. Nos meses de junho e julho, foram realizadas diversas audiências públicas para ouvir setores da sociedade a fim de congregar esforços da área governamental, na elaboração de um projeto de erradicação do trabalho infantil no Lixão.

Problema estrutural – Atualmente, trabalham no Lixão da Estrutural cerca de 2,5 mil catadores, inclusive, crianças, que enfrentam condições desumanas. Com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do IBGE, a projeção é que houvesse 288 crianças e adolescentes entre 10 e 17 anos em situação de trabalho na Estrutural. A maioria – 172 – tinham entre 16 e 17 anos. As informações estão disponíveis no Projeto Estruturar, do Ministério do Trabalho e Emprego.

Juntam-se a eles centenas de motoristas de caminhão que trazem o lixo diário, e outros que vão ao local comprar o lixo dos catadores. Seguranças e fiscais do governo estadual completam a estrutura social do lixão, que ocupa uma área com dois milhões de metros quadrados, com quase 50 anos de uso e a colocação de resíduos sólidos sem a devida impermeabilização do terreno.

Os trabalhadores não têm à disposição nenhum equipamento de proteção individual, os conhecidos EPIs, e são expostos diuturnamente ao gás metano que é criado pela decomposição do material orgânico, à sujeira, às moscas e mosquitos, ao sol escaldante e ao frio cortante, à chuva, Para enfrentar o dia a dia, os catadores acabam tendo que inventar sua própria proteção. Cobrem a cabeça e o rosto com bonés e panos, usam botas e luvas de vários tipos.

Serviço:

Mostra aberta ao público de 2 a 23 de setembro.

Horário: de segunda a sexta-feira, das 8 às 18 horas.

Local: Hall da entrada principal do Foro Trabalhista de Brasília (513 Norte)

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho 10ª Região


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Crianças imigrantes vivem em condições aterrorizantes, diz órgão europeu

Expostas a abusos sexuais e trabalho forçado, elas não têm acesso à educação ou saúde

Cabe à Justiça do Trabalho autorizar artistas mirins, defendem juízes

Ação da Abert no STF que questiona competência da Justiça do Trabalho pode resultar em retrocesso

Fundação Abrinq divulga panorama da infância

Estudo reúne dados sobre a situação da infância e adolescência no Brasil, com informações sobre trabalho infantil

Exploração sexual é recorrente em embarcações da Amazônia

Em entrevista à Rádio Nacional, juíza paraense premiada pelo CNJ lembra que luta contra esse crime precisa envolver toda a sociedade