Fórum Estadual do Mato Grosso

  • Noticias

  • Agenda

  • Biblioteca

  • Contato

Notícia

01/09/2015 14:32:30 - Atualizado em 01/09/2015 14:41:36


Setas sugere câmara intersetorial para combater trabalho infantil em MT

A Setas, em parceria com o Fepeti e a Assembleia Legislativa, está realizando uma série de audiências públicas em municípios polo de MT.

Praticamente metade dos 43 mil habitantes (49%) do município de Pontes e Lacerda (443 km de Cuiabá) está no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico). Desse total, 36% são crianças e adolescentes e 41% recebem auxílio de programas sociais. Este cenário exige o fortalecimento de políticas públicas de prevenção e combate ao trabalho infantil no município e a proposta da Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social (Setas), durante audiência pública na manhã do dia 28, foi a criação de uma Câmara Técnica para a construção de uma agenda intersetorial envolvendo assistência, saúde, educação, outros órgãos afins e a sociedade organizada.

A secretária adjunta de Assistência Social da Setas, Marilê Ferreira, alertou as autoridades municipais para a necessidade de reunir pastas como Educação, Assistência, Saúde, Ministério Público, Justiça, Segurança e sociedade organizada para debater, traçar estratégias e colocar em prática ações de enfrentamento do problema não só em Pontes e Lacerda, mas em todos os municípios do Estado, e para a implementação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti).

“O trabalho infantil deve ser enfrentando por todas as esferas de governo e também pela sociedade civil. Precisamos sensibilizar a população, as famílias, para os riscos que o trabalho precoce oferece à criança e um dos grandes problemas, além de danos físicos, é a evasão escolar”, apontou a gestora.

A Setas, em parceria com o Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação ao Trabalho Infantil (Fepeti) e a Assembleia Legislativa, está realizando uma série de audiências públicas em municípios polo de Mato Grosso. Diante da iniciativa do Governo, a Secretaria de Assistência Social do município solicitou a inclusão de Pontes e Lacerda no cronograma. “Nós queremos apurar a realidade do trabalho infantil em nosso município”, afirmou a primeira-dama e secretária de Assistência Social, Joana D’Arc Antonelli Nascimento.

A fisioterapeuta e conselheira do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cedca) Dúbia Beatriz Campos abordou “Os efeitos do trabalho infantil” representando o Centro de Referência em Saúde do Trabalho (Cerest).

Dúbia Campos apontou um panorama alarmante em se tratando de casos de acidentes de trabalho entre pessoas na faixa etária de 10 a 17 anos, incluindo mortes, prejuízo parcial à capacidade laboral e incapacitação.

O economista e assessor da Setas Luciano Joia apresentou o “Diagnóstico do Peti em Mato Grosso” e revelou uma triste realidade: pelo menos 25 mil crianças encontram-se em situação de trabalho infantil no estado. Segundo Joia, 13% da população na faixa etária de 5 a 14 anos (Diagnóstico do Trabalho Infantil em Mato Grosso 2014) eram explorados ilegalmente. “Este percentual chegou a ser quase nulo em 2012, mas voltou a crescer de 2013 para cá”, informou.

O prefeito de Pontes e Lacerda, Donizete Barbosa do Nascimento participou da audiência pública e falou sobre a preocupação quanto ao trabalho infantil. “Nós estamos empenhados em acabar com este tipo de prática em nosso município”.

Durante os debates, a secretária municipal de Educação de Pontes e Lacerda, Tereza Pazos, fez um importante depoimento. “Confesso que eu não tinha uma definição exata a respeito do trabalho infantil e hoje, nesta audiência, tive maior clareza quanto aos prejuízos que causa à criança”, afirmou a professora, concordando com a necessidade de se estabelecer no município um debate intersetorial para enfrentamento do problema.

O evento ainda contou com a participação da representante do Fepeti-MT, Eliane Menacho, da coordenadora municipal do Peti, Rosimeire Marchete, de representantes do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e dos municípios de Nova Lacerda e Glória D’Oeste, além de servidores e representantes da sociedade organizada e populares.

Fonte: FolhaMax


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Como abordar o tema do trabalho escravo na escola?

Escolas participantes do projeto Escravo, nem pensar! articulam discussão sobre trabalho escravo com conteúdos das disciplinas

Prêmio MPT na Escola será entregue na segunda-feira

Foram 51 trabalhos classificados para a etapa nacional, dos quais 30 serão premiados em cerimônia em 11 de dezembro em Brasília

Trabalho infantil, racismo e manipulação nos dados da PNAD

Em artigo, procuradora do Trabalho Elisiane Santos declara que mais de 1 milhão de trabalhadores infantis estão invisíveis na pesquisa

Nota explicativa sobre os dados de trabalho infantil da PNAD Contínua 2016

Ao apresentar número absoluto de trabalho infantil, não foram somados os dados de crianças e adolescentes que trabalham para o próprio consumo