Notícia

06/10/2014 15:23:21 - Atualizado em 06/10/2014 15:23:21


ONG faz estudo sobre a questão de gênero no Brasil

A Plan International apresentou o estudo Por ser menina no Brasil – crescendo entre direitos e violência, inédita no país

A pesquisa ouviu 1.771 meninas de 6 a 14 anos e foi apresentada no dia 10 de setembro em Brasília, contando com a participação das meninas entrevistadas, autoridades do governo, organizações sociais e agências das Nações Unidas. O estudo foi realizado em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH).

As entrevistas foram realizadas entre os meses de julho e setembro de 2013 nos estados do Pará, Maranhão, São Paulo, Mato Grosso e Rio Grande do Sul. As capitais desses estados foram escolhidas pela sua representatividade em suas respectivas regiões, com potencial de indicar as tendências regionais.

O estudo revela que 70,7% das meninas nunca ouviram falar, ou já ouviram falar, mas não leram o Estatuto da Criança e do Adolescente. Um dado que merece destaque e revela uma gritante desigualdade de gênero entre meninos e meninas na sua própria casa diz respeito à distribuição das tarefas domésticas entre eles. Enquanto 81,4% arrumam a própria cama e 76,8% lavam louça, apenas 11,6% dos meninos arrumam a cama e 12,5% lavam a louça.
 
O objetivo central foi analisar as percepções das meninas sobre aspectos que facilitam e/ou impedem o desenvolvimento de suas habilidades e a garantia de seus direitos, a partir do ambiente familiar, escolar, comunitário e social onde elas vivem, abrangendo as cinco regiões do Brasil.
 
Assista ao vídeo sobre o estudo.

Para ler o relatório completo, clique aqui.

 

Fonte: Plan International


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Como abordar o tema do trabalho escravo na escola?

Escolas participantes do projeto Escravo, nem pensar! articulam discussão sobre trabalho escravo com conteúdos das disciplinas

Prêmio MPT na Escola será entregue na segunda-feira

Foram 51 trabalhos classificados para a etapa nacional, dos quais 30 serão premiados em cerimônia em 11 de dezembro em Brasília

Trabalho infantil, racismo e manipulação nos dados da PNAD

Em artigo, procuradora do Trabalho Elisiane Santos declara que mais de 1 milhão de trabalhadores infantis estão invisíveis na pesquisa

Nota explicativa sobre os dados de trabalho infantil da PNAD Contínua 2016

Ao apresentar número absoluto de trabalho infantil, não foram somados os dados de crianças e adolescentes que trabalham para o próprio consumo