Notícia

06/10/2014 15:23:21 - Atualizado em 06/10/2014 15:23:21


ONG faz estudo sobre a questão de gênero no Brasil

A Plan International apresentou o estudo Por ser menina no Brasil – crescendo entre direitos e violência, inédita no país

A pesquisa ouviu 1.771 meninas de 6 a 14 anos e foi apresentada no dia 10 de setembro em Brasília, contando com a participação das meninas entrevistadas, autoridades do governo, organizações sociais e agências das Nações Unidas. O estudo foi realizado em parceria com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH).

As entrevistas foram realizadas entre os meses de julho e setembro de 2013 nos estados do Pará, Maranhão, São Paulo, Mato Grosso e Rio Grande do Sul. As capitais desses estados foram escolhidas pela sua representatividade em suas respectivas regiões, com potencial de indicar as tendências regionais.

O estudo revela que 70,7% das meninas nunca ouviram falar, ou já ouviram falar, mas não leram o Estatuto da Criança e do Adolescente. Um dado que merece destaque e revela uma gritante desigualdade de gênero entre meninos e meninas na sua própria casa diz respeito à distribuição das tarefas domésticas entre eles. Enquanto 81,4% arrumam a própria cama e 76,8% lavam louça, apenas 11,6% dos meninos arrumam a cama e 12,5% lavam a louça.
 
O objetivo central foi analisar as percepções das meninas sobre aspectos que facilitam e/ou impedem o desenvolvimento de suas habilidades e a garantia de seus direitos, a partir do ambiente familiar, escolar, comunitário e social onde elas vivem, abrangendo as cinco regiões do Brasil.
 
Assista ao vídeo sobre o estudo.

Para ler o relatório completo, clique aqui.

 

Fonte: Plan International


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

FNPETI participa da 2ª Jornada Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora

Fórum aborda a vulnerabilidade de crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil

Aumenta o número de crianças em situação de pobreza entre 2016 e 2017

IBGE divulga Síntese dos Indicadores Sociais. m 2017, dois em cada cinco trabalhadores do país eram informais

O gosto amargo do trabalho infantil e do trabalho escravo pode estar no chocolate

Para conscientizar os envolvidos na cadeia produtiva do cacau no Brasil, MPT e OIT divulgam pesquisa e documentário

Acesse o III Plano Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente Trabalhador

Plano abrange os anos de 2019 a 2022 e está disponível no site do FNPETI