Notícia

17/02/2017 11:58:13 - Atualizado em 17/02/2017 12:00:16


Reportagem expõe trabalho escravo em confecções

Programa flagrou mais de 22 fábricas clandestinas explorando trabalhadores em SP

Foto: Reprodução/ Record TV
O programa Câmera Record de quinta-feira (16), expôs a situação de trabalhadores escravos em confecções de São Paulo. De acordo com a reportagem, há cerca de 100 mil trabalhadores explorados em, pelo menos, oito mil oficinas de produção de roupas. Muitas delas fornecem para grandes marcas.
 
A M. Officer, por exemplo, foi condenada, no ano passado, a pagar R$ 6 milhões por submeter trabalhadores a condições análogas à escravidão. Em uma das ações de fiscalização, foram encontradas peças com etiquetas da Empório Alex. 
 
Durante três meses, os repórteres Romeu Piccoli, Ana Haertel, Daniel Motta e o editor Marcelo Magalhães flagraram 22 confecções clandestinas explorando trabalhadores de todas as maneiras na Grande São Paulo.
 
O procurador da Justiça do Trabalho, Luis Fabre, estima que existam 100 mil pessoas em condições análogas à escravidão só na capital paulista. Foi em uma dessas oficinas que o repórter Daniel Motta conseguiu uma vaga de emprego, disfarçado de imigrante nordestino recém-chegado a São Paulo.
 
Ele foi contratado sem carteira assinada e teve que trabalhar incansáveis 14 horas por dia, com a promessa de receber no final do mês um salário de cerca de 400 reais. “Às seis horas da manhã eu tinha que acordar. Ganhei um café e um pão amanhecido, duro, para começar o trabalho”, conta.
 
Nas chamadas “casas da escravidão”, mesmo o recém-empregado, que geralmente não tem experiência alguma com o maquinário, é obrigado a fazer mais de 150 peças de roupas diariamente. “O tempo era muito pouco pra aprender a costurar”, diz o repórter, que experimentou desde o início a pressão do supervisor da oficina.
 
O expediente só chegou ao fim por volta das 22h, com pequenas pausas para o almoço e jantar.  Com um porém: “Eles descontam do salário a comida”, revela Motta.
 
O repórter infiltrado passou a noite em claro, com receio de ser descoberto, em um pequeno quarto no fundo da casa. De manhã, a surpresa: “A porta é trancada. Eu não conseguia sair. Ela é fechada por fora. E assim deve ser o quarto de todos os outros que trabalham aqui para que eles não saiam”.
 
As gravações mostram crianças convivendo com os pais nesses ambientes.
 
Confira um trecho da reportagem:
 
 
A reportagem completa está disponível no site do programa.

Fonte: Câmera Record, com adaptações


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Crianças imigrantes vivem em condições aterrorizantes, diz órgão europeu

Expostas a abusos sexuais e trabalho forçado, elas não têm acesso à educação ou saúde

Cabe à Justiça do Trabalho autorizar artistas mirins, defendem juízes

Ação da Abert no STF que questiona competência da Justiça do Trabalho pode resultar em retrocesso

Fundação Abrinq divulga panorama da infância

Estudo reúne dados sobre a situação da infância e adolescência no Brasil, com informações sobre trabalho infantil

Exploração sexual é recorrente em embarcações da Amazônia

Em entrevista à Rádio Nacional, juíza paraense premiada pelo CNJ lembra que luta contra esse crime precisa envolver toda a sociedade