Notícia

23/02/2017 20:07:55 - Atualizado em 23/02/2017 20:07:55


Fiscalizações contra o trabalho infantil serão reforçadas no Carnaval

Auditores fiscais estarão de plantão nas principais cidades do país durante os dias de folia

O combate ao trabalho infantil vai ganhar reforço no Carnaval. As equipes de fiscalização do Ministério do Trabalho farão plantão nos principais centros do País, principalmente nos locais com grandes eventos.
 
O diretor do Departamento de Fiscalização do Trabalho do Ministério, João Paulo Ferreira Machado, lembra que as atividades nas festas carnavalescas são normalmente nas ruas ou em casas noturnas. E em nenhum desses locais é permitido o trabalho para pessoas com menos de 18 anos.
 
“São locais que deixam as crianças e adolescentes expostos a todo o tipo de violência, inclusive sexual, física e psicológica. Por isso, o trabalho nesses ambientes se enquadra nas atividades relacionadas na Lista das Piores Formas de Trabalho Infantil, a Lista TIP”, explica.
 
Apesar dos fiscais estarem presentes no Carnaval, João pede que a população colabore não comprando bebidas e alimentos de crianças e adolescentes. “A criança exposta a esse tipo de trabalho deixa de estar protegida em casa ou estudando para ser submetida a uma situação de risco. E a sociedade não pode incentivar esse tipo de conduta. Se você está preocupado e deseja ajudar, ajude denunciando o trabalho infantil à rede de proteção.”
 
No Brasil, o trabalho não é permitido sob qualquer condição para crianças e adolescentes entre zero e 13 anos. Somente a partir dos 14 anos é permitido trabalhar como aprendiz. Dos 16 aos 18 anos, as atividades laborais são autorizadas, desde que não aconteçam das 22h às 5h, não sejam insalubres ou perigosas e não façam parte da Lista TIP.
 
As denúncias de trabalho infantil podem ser feitas em qualquer agência, gerência ou superintendência do Ministério do Trabalho no Brasil. Por telefone, a denúncia pode ser feita pelo serviço Disque 100 do governo federal, o Disque Direitos Humanos, que recebe todos os tipos de denúncia de violação contra crianças e adolescentes.

Fonte: Portal Brasil


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

PB: 62% das meninas socioeducandas eram trabalhadoras infantis

Pesquisa foi desenvolvida por uma das cinco socioeducandas que são bolsistas do PIBC

Ativistas da Iniciativa 100 Milhões por 100 Milhões manifestam-se sobre ataque à Síria

Em textos, ativistas conclamam às nações que busquem o retorno da paz à Síria por meio de caminhos legítimos

Brasil é líder no ranking de violência contra a criança na América Latina

Pesquisa da Visão Mundial avaliou a percepção da sociedade sobre a violência contra crianças e adolescentes

Organizações reativam Fórum do DF

Coletivo da Cidade e FNPETI articularam reunião. Próximo encontro será no final de abril