Notícia

08/03/2017 12:13:19 - Atualizado em 09/03/2017 11:01:02


No dia Internacional da Mulher, olhem também para as meninas

Trabalho infantil doméstico e exploração sexual tiram sonhos e privam de direitos milhares de meninas

O trabalho infantil doméstico e a exploração sexual de crianças e adolescentes têm gênero.  Em 2014, de acordo com a PNAD/IBGE, 174.826 crianças e adolescentes trabalhavam como empregados domésticos em 2014. Desse total, 94,1% eram meninas. Por ocorrer de maneira ilícita, a exploração sexual tem pouca visibilidade e torna-se difícil de ser quantificada. Trata-se de um crime gravíssimo com consequências traumáticas no desenvolvimento físico, psicológico, moral e sexual das meninas e meninos explorados. 
 
Tanto a exploração sexual quanto o trabalho infantil doméstico são piores formas de trabalho infantil. A exploração sexual também é crime hediondo, com pena de 4 a 10 anos de prisão, a ser cumprida em regime fechado e sem fiança.
 
O trabalho infantil doméstico, por sua vez, expõe a riscos de esforços físicos intensos; isolamento; abuso físico, psicológico e sexual; longas jornadas de trabalho; trabalho noturno; calor; exposição ao fogo; danos à coluna e sobrecarga dos músculos, de acordo com o Decreto 6481/2008, que define as piores formas de trabalho infantil. 
 
Jornada invisível – A maioria dos trabalhadores infantis cumpre dupla jornada. Desse, 58,9% realizam afazeres domésticos nas próprias casas. A situação se agrava quando se trata dos trabalhadores infantis domésticos. O percentual se eleva para 83,1%. O baixo rendimento escolar, o abandono dos estudos, adoecimentos e acidentes de trabalho são algumas das consequências desse excesso de atividades. 
 
Existem diversos meios para denunciar não só essas formas, mas qualquer tipo de trabalho infantil.  O Disque 100, por exemplo, permite que a denúncia ocorra de maneira anônima. O Conselho Tutelar também pode ser acionado, assim como o Ministério Público do Trabalho, o Creas e a Superintendência Regional do Trabalho (SRT), vinculada ao Ministério do Trabalho. 
 


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Crianças imigrantes vivem em condições aterrorizantes, diz órgão europeu

Expostas a abusos sexuais e trabalho forçado, elas não têm acesso à educação ou saúde

Cabe à Justiça do Trabalho autorizar artistas mirins, defendem juízes

Ação da Abert no STF que questiona competência da Justiça do Trabalho pode resultar em retrocesso

Fundação Abrinq divulga panorama da infância

Estudo reúne dados sobre a situação da infância e adolescência no Brasil, com informações sobre trabalho infantil

Exploração sexual é recorrente em embarcações da Amazônia

Em entrevista à Rádio Nacional, juíza paraense premiada pelo CNJ lembra que luta contra esse crime precisa envolver toda a sociedade