Notícia

17/07/2017 10:25:34 - Atualizado em 17/07/2017 10:26:17


Projeto ONDA: Afeto como direito (trans)formador

Meninas da socioeducação de Santa Maria criam programa de rádio sobre afetividade e discutem transexualidade

Afetividade. Este é o tema que meninas cumprindo medida socioeducativa na Unidade de Internação de Santa Maria (UISM) escolheram falar em mais um programa de rádio realizado pelo ONDA – Adolescentes Protagonistas. As adolescentes quiseram dialogar sobre a importância do afeto, assim como a necessidade de tratamento mais humano para todas as pessoas.
 
Reflexões sobre as vivências de pessoas trans foi o caminho trilhado para a construção do programa. “Pensar no afeto mexeu com as meninas, que passaram a compreender melhor os desafios que pessoas trans enfrentam tanto para conseguirem trabalho como para o exercício do amor”, conta Márcia Acioli, coordenadora das atividades.
 
“O fato de organizarem um projeto coletivo harmoniza o ambiente e favorece laços de amizade e ajuda-as a rever seus comportamentos com relação ao convívio social”, afirma Márcia sobre a produção colaborativa do programa. 12 meninas participaram de todas as etapas de criação, dividindo funções entre si. Do roteiro, passando pelas entrevistas, locução, edição e até composição de algumas músicas.
 
O exercício do direito a comunicação e a partir de temas escolhidos pelas adolescentes tem despertado processos muito importantes além dos objetivos pedagógicos previstos. Na UISM, Marcia conta que há meninas que se sensibilizaram para trabalhar com comunicação e estão entusiasmadas para seguir estudando visando o vestibular de jornalismo.
 
O trabalho foi desenvolvido pelo Inesc e projeto Onda, com a jornalista Cláudia Maciel. Confira o programa sobre Afetividade e Transexualidade feito por adolescentes da socioeducação:
 
OUÇA O PROGRAMA: 
 

Fonte: Por Webert da Cruz/Projeto ONDA


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Adolescente de João Pessoa morre durante trabalho em pedreira

Vítima tinha 16 anos e caiu de uma altura de 20 metros; o trabalho em pedreiras é uma das piores formas de trabalho infantil

Adolescentes viajam por 10 estados para falar de participação cidadã

Confira o relato do integrante do Conapeti, Felipe Caetano, sobre o projeto que divulga a importância da manifestação jovem

Trabalho infantil: uma conversa que foi além da sala de aula

Débora Garofalo, professora de São Paulo, conta à revista Nova Escola como motivou alunos a combater a evasão escolar

AP: Escritora produz livro sobre trabalho infantil na Amazônia

Publicação infantojuvenil 'Pescadores de Sonhos' foi impresso com o auxílio do MPT