Notícia

04/08/2017 16:04:33 - Atualizado em 04/08/2017 16:06:07


AC: Ação flagra crianças de 5 a 12 anos trabalhando em casas de farinha

Crianças trabalham com facões e chegam a carregar sacos de 50 quilos de farinha em Cruzeiro do Sul

Foto: Cícero R. C. Omena - Casa de farinha
 
Um trabalho de conscientização contra o trabalho infantil, feito pela Secretaria de Assistência Social de Cruzeiro do Sul (AC), flagrou crianças de 5 a 12 anos trabalhando em casas de farinha no município. Crianças manuseando facões e carregando sacos com até 50 quilos foram algumas das situações encontradas. A ação ocorreu nos dias 25, 26 e 27 de julho. 
 
A coordenadora de Ações Estratégicas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Aepeti), Eva Bezerra, disse que o trabalho está sendo constante em comunidades rurais do município. “Das 27 casas, em três foram identificados casos de trabalho infantil. Encontramos, inclusive, crianças de cinco anos com facões e carregando sacos de farinhas nas costas”, relatou. 
 
As casas de farinha que participaram da ação nas comunidades Pentecoste, Santa Bárbara, Belo Jardim, Ramal do Japãozinho, Vila Assis Brasil e Ramal da Mariana I. “Nessas farinhadas têm várias famílias que trabalham para poder fazer a farinha, então, conseguimos fazer o trabalho de conscientização com 41 famílias que é o nosso grande objetivo”, acrescentou. 
 
Eva explica que a maior dificuldade encontrada pelos assistentes sociais e demais parceiros foi a resistência das famílias em aceitar que o trabalho infantil é ilegal. “A população até geral não entende que é errado, então, é um trabalho muito difícil. Os pais já têm essa cultura enraizada de que os filhos necessitam trabalhar para aprenderem desde cedo a profissão. Lugar de criança é na escola e não trabalhando em casas de farinhas”, enfatizou a gestora. 
 
A maior incidência encontrada na ação foram crianças de cinco anos trabalhando com facões sem nenhum tipo de equipamento de segurança. Crianças de sete e 12 anos também foram vistas carregando sacos de farinha. 
 
“Encontramos em uma casa de farinha duas crianças de 5 anos raspando mandioca com facões em cima das pernas, armas enormes que não sabemos nem como essas crianças conseguiam manusear aquilo”, completou. 
 
A partir dessas informações, a Assistência Social vai elaborar um documento que será entregue ao Ministério do Trabalho para que as medidas cabíveis sejam tomadas. 
 

Fonte: G1 Cruzeiro do Sul e Região, com adptações


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

12 de Junho: Lançamento da Campanha no Rio de Janeiro é marcado por atividades culturais e participação da sociedade

Realizado no Museu do Amanhã, evento foi aberto ao público e contou com oficinas, apresentações e manifestações culturais

Artigo: 12 de Junho, para além do dia dos namorados

Combater o trabalho infantil exige a decisão do Estado brasileiro em investir em políticas públicas de combate às vulnerabilidades sociais, aponta integrante do FNPETI em artigo para a Carta Educação

ESMPU realiza simpósio sobre trabalho infantil de crianças e adolescentes

Evento discute ações práticas de conscientização, prevenção e combate à exploração do trabalho infantil

FNPETI mobiliza comunidade escolar contra o trabalho infantil

Mais de mil alunos participaram de contação de histórias sobre direitos das crianças