Notícia

04/08/2017 16:04:33 - Atualizado em 04/08/2017 16:06:07


AC: Ação flagra crianças de 5 a 12 anos trabalhando em casas de farinha

Crianças trabalham com facões e chegam a carregar sacos de 50 quilos de farinha em Cruzeiro do Sul

Foto: Cícero R. C. Omena - Casa de farinha
 
Um trabalho de conscientização contra o trabalho infantil, feito pela Secretaria de Assistência Social de Cruzeiro do Sul (AC), flagrou crianças de 5 a 12 anos trabalhando em casas de farinha no município. Crianças manuseando facões e carregando sacos com até 50 quilos foram algumas das situações encontradas. A ação ocorreu nos dias 25, 26 e 27 de julho. 
 
A coordenadora de Ações Estratégicas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Aepeti), Eva Bezerra, disse que o trabalho está sendo constante em comunidades rurais do município. “Das 27 casas, em três foram identificados casos de trabalho infantil. Encontramos, inclusive, crianças de cinco anos com facões e carregando sacos de farinhas nas costas”, relatou. 
 
As casas de farinha que participaram da ação nas comunidades Pentecoste, Santa Bárbara, Belo Jardim, Ramal do Japãozinho, Vila Assis Brasil e Ramal da Mariana I. “Nessas farinhadas têm várias famílias que trabalham para poder fazer a farinha, então, conseguimos fazer o trabalho de conscientização com 41 famílias que é o nosso grande objetivo”, acrescentou. 
 
Eva explica que a maior dificuldade encontrada pelos assistentes sociais e demais parceiros foi a resistência das famílias em aceitar que o trabalho infantil é ilegal. “A população até geral não entende que é errado, então, é um trabalho muito difícil. Os pais já têm essa cultura enraizada de que os filhos necessitam trabalhar para aprenderem desde cedo a profissão. Lugar de criança é na escola e não trabalhando em casas de farinhas”, enfatizou a gestora. 
 
A maior incidência encontrada na ação foram crianças de cinco anos trabalhando com facões sem nenhum tipo de equipamento de segurança. Crianças de sete e 12 anos também foram vistas carregando sacos de farinha. 
 
“Encontramos em uma casa de farinha duas crianças de 5 anos raspando mandioca com facões em cima das pernas, armas enormes que não sabemos nem como essas crianças conseguiam manusear aquilo”, completou. 
 
A partir dessas informações, a Assistência Social vai elaborar um documento que será entregue ao Ministério do Trabalho para que as medidas cabíveis sejam tomadas. 
 

Fonte: G1 Cruzeiro do Sul e Região, com adptações


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Como abordar o tema do trabalho escravo na escola?

Escolas participantes do projeto Escravo, nem pensar! articulam discussão sobre trabalho escravo com conteúdos das disciplinas

Prêmio MPT na Escola será entregue na segunda-feira

Foram 51 trabalhos classificados para a etapa nacional, dos quais 30 serão premiados em cerimônia em 11 de dezembro em Brasília

Trabalho infantil, racismo e manipulação nos dados da PNAD

Em artigo, procuradora do Trabalho Elisiane Santos declara que mais de 1 milhão de trabalhadores infantis estão invisíveis na pesquisa

Nota explicativa sobre os dados de trabalho infantil da PNAD Contínua 2016

Ao apresentar número absoluto de trabalho infantil, não foram somados os dados de crianças e adolescentes que trabalham para o próprio consumo