Notícia

31/10/2017 09:50:28 - Atualizado em 31/10/2017 09:50:29


Modelo de 14 anos entra em coma e morre após trabalhar por 13 horas consecutivas

Adolescente teve uma exaustão total e meningite crônica após excesso de trabalho na China

Escalada para desfilar em um evento de moda em Xangai, na China, a modelo russa Vlada Dzyuba, de 14 anos, foi submetida a 13 horas intensas de trabalho e teve um colapso. De acordo com o jornal britânico Daily Mail, ela entrou em coma e morreu dois dias depois.
 
Vlada estava no país há três meses. No dia de sua morte, ela teve uma exaustão total e contraiu meningite crônica, que a levou ao coma minutos antes de fazer uma de suas últimas entradas na passarela. 
 
A agência que a contratou, segundo o jornal, não pagava seguro saúde para a adolescente e a forçava a trabalhar muitas horas além do permitido - ela poderia trabalhar somente 3 horas por semana. Agora a empresa está sendo acusada de promover trabalho escravo.
 
Oksana, mãe da menina, disse à publicação que sua filha a telefonou por algumas vezes nos intervalos reclamando de cansaço. "Ela me chamava e dizia: 'Mamãe, estou tão cansada. Eu quero tanto dormir'", relatou.
 
Pavel Mikov, ombudsman dos direitos humanos em Perm, cidade natal da modelo, disse que assumiria pessoalmente as investigações sobre o caso.
 
 

Fonte: Estadão


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

IV Conferência Mundial sobre Erradicação do Trabalho Infantil divulga declaração de Buenos Aires

No documento, participantes da Conferência reiteram o compromisso com a erradicação do trabalho infantil

Gigantes da tecnologia não fazem o suficiente para evitar trabalho infantil

Pesquisa sobre empresas de eletrônicos e de carros mostra que existem “pontos cegos” nas cadeias de fornecedores de cobalto

Conanda seleciona adolescentes para participarem de Comitê

Inscrições terminam em 10 de dezembro; a seleção será via internet

Negros são maioria no trabalho infantil

Ao todo, 63% das crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil são negros; no trabalho infantil doméstico, esse índice se acentua para 73,5%