Notícia

21/02/2018 09:38:33 - Atualizado em 21/02/2018 10:08:26


Redes sociais como aliadas no combate ao trabalho infantil

Artigo publicado pela pedagoga Débora Garofalo no site Chega de Trabalho Infantil orienta professores a utilizarem a internet

Imagem: Fotos Públicas/Marcos Santos/USP Imagens
 
O trabalho infantil é um problema de relevância social que requer soluções urgentes.
 
Erradicá-lo é preservar a infância, possibilitando o pleno acesso a seus direitos básicos e fundamentais de brincar, estudar e crescer. É preciso, também, preservar seu desenvolvimento físico e emocional: meninos e meninas devem ingressar no mercado de trabalho na idade correta. Respeitar e incentivar a Lei do Aprendiz é fundamental.  
 
Durante sua formação, a criança sofre influências internas e externas que promovem transformações e descobertas responsáveis pela construção de autonomia e diálogo com o mundo. Por isso, é indispensável respeitar o espaço e o tempo de cada fase e idade.
 
A escola exerce um papel fundamental neste processo, pois também estreita os laços com a comunidade.
 
Como as redes sociais podem ajudar?
As redes sociais são compostas por pessoas e/ou organizações conectadas por um ou vários tipos de relações, compartilhando valores e objetivos comuns. Por isso é fundamental integrá-la à aprendizagem a fim de fortalecer uma educação integral pautada pela humanização e pelo diálogo.
 
Vamos levá-las para a sala de aula? 
Enriqueça as aulas com vídeos e textos sobre trabalho infantil. Converse sobre o programa jovem aprendiz, realize rodas de conversas e debates. Escolha uma rede social para trabalhar: pode ser o Twitter, o Instagram (por meio de fotos, animações), o Facebook.
 
Internet Segura e uso das redes sociais
Disponibilize materiais. Ofereça e compartilhe materiais multimídia. Podem ser notícias de jornais, revistas, vídeos, músicas, trechos de textos, assuntos que foram trabalhados em sala de aula e que enriqueçam os debates.
 
Aproveite o campo “comentários”
Peça a opinião dos alunos, pois assim você estará auxiliando a promover o senso crítico, fomentando a se manifestarem, ampliando o repertório e o conhecimento de mundo, além de trabalhar a questão da leitura e escrita em situação real de uso.
 
Realize grupo de chats
É uma boa opção para mediar grupos de estudo de diferentes séries e níveis de aprendizagem em torno de assuntos distintos, enriquecendo o debate. Por meio dos chats é possível também diagnosticar dúvidas, oferecer colaboração e proporcionar aprendizado para além da sala de aula.
Incentive a leitura e a escrita
 
Que tal desenvolver e produzir textos argumentativos com os alunos, trabalhando de forma natural o desenvolvimento de ideias de um jeito direto e objetivo. Beneficiando a leitura e a escrita, ao brincar com as formas narrativas e textos argumentativos e de opinião, trazendo o leitor para participar, compreender e compartilhar boas práticas.
 
Crie campanhas de combate pelas redes sociais
Criar campanhas auxilia os estudantes a exercitar sua opinião, fortalecer valores e atuar sobre problemáticas. Proponha assuntos relacionados à temática do trabalho infantil prevendo um roteiro que contemple:  projetos, como evitar, maneiras de combater e como denunciar.
 
Envolva os familiares
Durante as reuniões na escola, vale conversar com os pais sobre a ação que você está promovendo nas redes sociais – apresentando a proposta de trabalho com a turma, para que eles compreendam os benefícios desse aprendizado e de integrar a escola com a comunidade.
 
E vocês queridos professores e gestores da educação? Como estão abordando essa temática em suas escolas? Conte aqui, nos comentários! Compartilhem boas práticas, fortalecendo o trabalho docente.
 
 
Débora Garofalo é formada em Letras e Pedagogia, com especialização em Língua Portuguesa Mestranda em Educação, pela PUC-SP. Desde 2015, atua como professora orientadora de Informática Educativa do 1º ao 9º ano. Essa é uma disciplina do currículo da Rede Municipal de São Paulo que integra as tecnologias ao processo de ensino aprendizagem do currículo de diferentes áreas do conhecimento.

Fonte: Chega de Trabalho Infantil


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

FNPETI participa da 2ª Jornada Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora

Fórum aborda a vulnerabilidade de crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil

Aumenta o número de crianças em situação de pobreza entre 2016 e 2017

IBGE divulga Síntese dos Indicadores Sociais. m 2017, dois em cada cinco trabalhadores do país eram informais

O gosto amargo do trabalho infantil e do trabalho escravo pode estar no chocolate

Para conscientizar os envolvidos na cadeia produtiva do cacau no Brasil, MPT e OIT divulgam pesquisa e documentário

Acesse o III Plano Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente Trabalhador

Plano abrange os anos de 2019 a 2022 e está disponível no site do FNPETI