Notícia

08/03/2018 16:07:51 - Atualizado em 08/03/2018 16:07:51


Trabalho infantil doméstico: uma questão de gênero

No dia da Mulher, o FNPETI alerta para a importância de combater o trabalho infantil doméstico

Os dados gerais sobre trabalho infantil demonstram que ele atinge os meninos (66% Pnad, 2015) em proporção maior que as meninas. No entanto, a situação das meninas precisa ser melhor contextualizada, uma vez que o trabalho agrega outros elementos de gênero e violências que condicionam suas vidas.
 
As desigualdades e discriminações de gênero acompanham a vivência laboral de meninas e mulheres em todas as suas etapas de vida. A Pnad de 2015 mostra que e termos proporcionais as mulheres recebem cerca de 76,1% do rendimento do trabalho dos homens. Enquanto o rendimento médio mensal dos homens de 15 anos ou mais de idade foi de R$ 2.058, o das mulheres, mesma faixa de idade, foi de R$ 1.567.
 
A pesquisa do FNPETI sobre as cadeias produtivas, com base nos dados da Pnad de 2014, assinala que dos oito grupos de atividades levantados, apenas dois têm predominância de meninas: Serviços domésticos, formado por 94,1% de mão de obra feminina, e Serviços da Administração pública, educação, saúde, serviços sociais, coletivo e pessoais, com 65,6%.
 
Ao correlacionar a categoria raça, vemos que 62,7% de todo o trabalho infantil era desempenhado por negros/as (pretos e pardos), e que, destes, a maior concentração estava no grupo dos Serviços Domésticos, com 73,5%. Some-se a isso o rendimento médio do trabalho infantil, que foi de 72,1% do salário mínimo de 2014.
 
Ou seja, o trabalho infantil doméstico tem perfil definido, majoritariamente formado por meninas, negras e pobres. Especialistas argumentam que gênero, raça e renda são categorias que se entrelaçam, impactando na produção das violências e violações de direitos. Ser menina com essas especificidades pode representar uma barreira ao seu desenvolvimento e ao acesso a direitos – o trabalho infantil doméstico é prova disso.
 
Saiba mais ao acessar a publicação Trabalho Infantil nos ODS

Fonte: Trabalho Infantil nos ODS


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

MPT oferece curso sobre combate ao trabalho infantil para conselheiros tutelares

As inscrições são gratuitas e estão abertas até o dia 15 de março. O curso é a distancia e começa no dia 1º de abril.

Mais de 1,8 mil crianças e adolescentes foram retiradas do trabalho infantil em 2018

Muitos estavam trabalhando em lava a jatos, oficinas mecânicas e borracharias e no comércio de bebidas alcoólicas. Os dados são da Subsecretaria de Inspeção do Trabalho (SIT).

Procuradora diz que jovens atletas são tratados como "commodities"

Rede pró-infância e juventude critica mercantilização de base

Juiz da Infância alerta sobre a proibição do trabalho infantil no carnaval de Salvador

O juiz Walter Ribeiro, da 1ª Vara da Infância e Juventude de Salvador, publicou portaria estabelecendo parâmetros protetivos para que crianças e adolescentes participem das festas de carnaval.