Notícia

12/03/2018 15:14:55 - Atualizado em 12/03/2018 15:14:56


Fórum Social Mundial reunirá mais de 60 mil pessoas em Salvador

Evento começa nesta terça-feira (13). Confira a programação

A 13ª edição do Fórum Social Mundial (FSM 2018) será realizada entre os dias 13 e 17 de março, em Salvador, na Bahia. Com a maior parte das atividades concentradas no Campus de Ondina da Universidade Federal da Bahia (UFBA), o evento conta ainda com atividades em territórios temáticos como o Parque do Abaeté, em Itapuã, e o Parque São Bartolomeu, no Subúrbio Ferroviário da cidade.
 
O FSM 2018 será o espaço de diálogo e convergência de cerca de 60 mil pessoas, de 120 países, que estarão na cidade com o objetivo de debater e definir novas alternativas e estratégias de enfrentamento ao neoliberalismo, aos golpes antidemocráticos e genocidas que diversos países estão enfrentando nos últimos anos.  Com o lema “Resistir é criar. Resistir é transformar!”, o Fórum visa promover a transformação do ser humano em busca de “Um outro mundo possível”.
 
Com mais de 1500 coletivos, organizações e entidades cadastrados, e cerca de 1300 atividades autogestionadas inscritas, o FSM 2018, terá representantes de entidades de países como Canadá, Marrocos, Finlândia, França, Alemanha, Tunísia, Guiné, Senegal, além de países Panamazônicos e representações nacionais.
 
Já confirmaram presença no evento o ex-presidente do Brasil, Luís Inácio Lula da Silva; a presidente da Fundação Franz Fanon, Mireille Fanon Mendes France; a Yalorixá Makota Valdina; o sociólogo Emir Sader; a presidente da Federação Democrática Internacional de Mulheres (FDIM), Lorena Peña; o ex-presidente paraguaio, Fernando Lugo; a militante indígena e pré-candidata a  presidência, Sônia Guajajara; Boaventura de Sousa Santos, cientista político; o filósofo do Congo, Godefroid Ka Mana Kangudie; Francine Mestrum, da Justiça Global Social.
 
Participarão também de atividades no FSM,  Abdellah Saaf , ex-ministro da Educação Nacional de Marrocos; Kamal lahbib, defensor dos direitos humanos de Marrocos, ex-preso político; Eda Duzgun, liderança das mulheres curdas; Sara Soujar, do Movimento de Combate ao racismo e xenofobia do Norte de Marrocos, da organização Gadem; Mamadou Sarr, militante da Mauritânia para defesa dos Negros; Jamal Juma, ativista palestino da campanha BDS de boicote à Israel; Mattews Ban, liderança sulafricano do movimento de trabalhadores rurais; Gustave Massaih, membro fundador do movimento de Maio 68, na França; Abdellah Saaf, ex-ministro da educação nacional de Marrocos.
 
Ana Cañas, Ilê Aiyê, Tulipa Ruiz, Orquestra Sinfônica da Bahia (OSBA), Margareth Menezes, Filarmônica Minerva Cachoeirana, Lazzo Matumbi, além do rapper Flávio Renegado, e das artistas baianas, Clécia Queiroz, Banda Didá, Juliana Ribeiro, Marcia Short, entre outras performances artísticas farão parte das apresentações culturais durante o fórum.
 
Com o lema “Resistir é criar. Resistir é transformar!”, as atividades do Fórum devem convergir para os seguintes eixos temáticos: Ancestralidade, Terra e Territorialidade; Comunicação, Tecnologias e Mídias livres; Culturas de Resistências; Democracias; Democratização da Economia; Desenvolvimento, Justiça Social e Ambiental; Direito à Cidade; Direitos Humanos; Educação e Ciência, para Emancipação e Soberania dos Povos; Feminismos e Luta das Mulheres; Futuro do FSM; LGBTQI+ e Diversidade de Gênero; Lutas Anticoloniais; Migrações; Mundo do Trabalho; Um Mundo sem Racismo, Intolerância e Xenofobia; Paz e Solidariedade; Povos Indígenas e Vidas Negras Importam.
 
Para a edição do FSM 2018, a novidade é unir aos eixos, lemas e bandeiras com o intuito de contribuir ao processo de mobilização e articulação das resistências entre si, que são abertos e podem ser propostos por redes, plataformas, organizações e movimentos sociais. Alguns lemas já sugeridos em consultas feitas no  site do FSM são: “A vida não é mercadoria”, “Nada sobre nós, sem nós”, “Cidadania sem Fronteiras”, “Vidas Negras Importam”, entre outros.
 
Todas as atividades inscritas no FSM 2018, são autogestionadas, ou seja, cada organização se responsabiliza por toda gestão do evento (formato, palestrantes, passagens, translado, hospedagem, etc.). Já a Organização do Fórum, garante a infraestrutura para a realização das atividades propostas e a divulgação na Programação do site do Fórum.
 
Veja a Programação completa do FSM e das atividades autogestionadas no site.
 
13 de Março
11h: Coletiva de Imprensa do Coletivo Brasileiro do FSM 2018 e Conselho Internacional do Fórum Social Mundial.
15h: Marcha de Abertura – Resistir é Criar, Resistir é Transformar
19h: Show/Atividades Político-culturais
 
14 de Março
9h: Atividades de Convergências
14h30: Atividades Autogestionadas
17h: Atividades Autogestionadas
19h30: Atividades Político-culturais
 
15 de Março
9h: Atividades de Convergências
14h30: Atividades Autogestionadas
17h: Ato em Defesa da Democracia
19h30: Atividades Político-culturais
 
16 de Março
9h: Assembleia Mundial das Mulheres
12h: Reunião das Relatorias
12h: Atividades Autogestionadas
14h30: Atividades Autogestionadas
15h: Assembleia Mundial dos Povos, Movimentos e Territórios em Resistências
17h: Atividades Autogestionadas
20h: Ato Político-cultural Rumo ao FAMA
 
17 de Março
8h30: Ágora dos Futuros (Agenda de Ações Pós-Fóruns)
9h: Atividades Autogestionadas
11h: Atividades Autogestionadas
12h: Cortejo Cultural
14h30: Atividades Autogestionadas
17h: Atividades Autogestionadas
14h às 18h: Reunião do Conselho Internacional do FSM
 
18 de Março
9h às 18h: Reunião do Conselho Internacional do FSM
18h: Coletiva de Imprensa do Coletivo Brasileiro do FSM 2018 e Conselho Internacional do Fórum Social Mundial.
 
Marcha de abertura, o Encontro da Diversidade das Lutas
 
A tradicional Marcha de Abertura do FSM 2018 ocorrerá no dia 13 de março, a partir das 15h. O percurso sairá da praça do Campo Grande, passando pela Avenida Sete, até a Praça Castro Alves, palco de grandes manifestações de luta e resistência baiana. Em seus quatro quilômetros, estima-se que milhares de pessoas tomem as ruas do Centro de Salvador. Com desfecho aos pés do poeta Castro Alves, na “Praça do Povo”, como é conhecida, a grande abertura contará com um palco para apresentações culturais, performances artísticas e musicais. O intuito da marcha é estimular organizações, coletivos, redes e pessoas a expressarem suas lutas por “Um outro mundo possível!”.
 
No mesmo dia, está prevista uma coletiva de imprensa, às 11h da manhã, com integrantes do Coletivo Brasileiro do Fórum Social Mundial 2018 e Conselho Internacional do Fórum Social Mundial.
 
 

Fonte: FSM


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

FNPETI participa da 2ª Jornada Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora

Fórum aborda a vulnerabilidade de crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil

Aumenta o número de crianças em situação de pobreza entre 2016 e 2017

IBGE divulga Síntese dos Indicadores Sociais. m 2017, dois em cada cinco trabalhadores do país eram informais

O gosto amargo do trabalho infantil e do trabalho escravo pode estar no chocolate

Para conscientizar os envolvidos na cadeia produtiva do cacau no Brasil, MPT e OIT divulgam pesquisa e documentário

Acesse o III Plano Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente Trabalhador

Plano abrange os anos de 2019 a 2022 e está disponível no site do FNPETI