Notícia

26/04/2018 17:14:50 - Atualizado em 26/04/2018 17:14:50


Câmara dos Deputados volta a debater o abuso sexual infantil no futebol brasileiro

Projeto quer incluir no ECA artigo que condiciona aos clubes de futebol o recebimento de patrocínios de bancos públicos mediante o cumprimento de medidas protetivas às crianças e adolescentes

Foto: Prefeitura de João Pessoa
 
No dia 15 de maio, a Câmara dos Deputados irá debater, mais uma vez, o abuso sexual infantil no futebol brasileiro. A Comissão de Esportes (CESPO) irá realizar uma audiência pública para discutir o Projeto de Lei nº 9622/18, que prevê condicionar os contratos de patrocínio de bancos públicos a clubes mediante o cumprimento de ações sociais de combate ao abuso sexual de crianças e adolescentes.
 
O evento será presidido pelo deputado federal Roberto Alves (PRB-SP), que é relator do Projeto de Lei. Ele é presidente da Frente Parlamentar de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.
 
A CESPO confirmou a presença da nadadora olímpica Joana Maranhão, do secretário geral da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Walter Feldman, e da assessora de comunicação do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente Yves de Roussan (Cedeca/Bahia), Luciana Santana Reis. Representantes do Ministério do Esporte, do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), do Comitê Brasileiro dos Clubes (CBC) e da Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres foram convidados, mas até o momento não confirmaram presença. 
 
Sobre o Projeto de Lei
 
O texto do PL nº 9622/18 obriga os clubes a cumprirem ações internas de combate ao abuso sexual infantil. Para isso, quer incluir no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) um artigo na lei que condiciona aos clubes o recebimento de patrocínios ou de qualquer tipo de verba de bancos públicos ao cumprimento de oito medidas de proteção às crianças e adolescentes, que vão da criação de ouvidorias à prestação de contas a conselhos tutelares e Ministério Público sobre as ações protetivas que foram implementadas.
 
Em 2014, a CBF e a CPI da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, instalada na Câmara, firmaram um acordo das 10 medidas previstas no 'Pacto pela Proteção dos Direitos das Crianças e Adolescentes'. No entanto, uma nova audiência pública em 2017 concluiu que a CBF cumpriu apenas dois itens do acordo.
 
Nesta audiência pública, o deputado Roberto Alves irá propor que a proposta do PL 9622/18 se estenda para todas as modalidades esportivas. Por isso, representantes do esporte brasileiro, do futebol e de entidades de proteção à criança e ao adolescente estarão reunidos para discutir meios legais que torne obrigatório o cumprimento de ações de proteção à integridade física e psicológica dos pequenos atletas.
 
“Lamentavelmente, as autoridades do futebol e os clubes não agiram com a devida seriedade, no sentido de erradicar o abuso sexual infantil. Iremos, desta vez, retomar o debate e buscar soluções mais eficazes e ampliar este benefício a todos os atletas mirins de todas as modalidades esportivas que atuam no Brasil”, afirmou o relator.
 
SERVIÇO:
 
O QUE: Audiência pública para debater o 'Abuso Sexual Infantil no Futebol Brasileiro'.
QUANDO: 15 de Maio, 14:30Hrs
ONDE: Plenário 4, anexo II da Câmara dos Deputados, Brasília (DF)
CONTATO: Carlos Eduardo Matos (Assessoria de Imprensa) 
                 61 3215-6946 / 61 98309-5226

Fonte: Câmara dos Deputados


Deixe seu comentário

Login

Comentários (1)

Antonio Dantas

03 de Maio de 2018 às 15:07:55
Boa essa matéria, vai me ajudar em muito, pois, agora estou prestando assessoria na elaboração de projetos incentivados para um clube formador em Osasco SP.

Destaques

Precisamos enfrentar a violência sexual contra crianças e adolescentes

Em artigo, Karina A. Figueiredo, assistente social, fala da realidade de meninas e meninos que sofrem com essa grave violação de direitos no Brasil e no mundo

Semana de Ação Mundial deve mobilizar mais de 190 mil pessoas na defesa do Plano Nacional de Educação

Campanha mobiliza milhares de pessoas para exigir a garantia do direito à educação

Prêmio MPT na Escola aborda trabalho infantil na rede pública de ensino

A iniciativa vai premiar trabalhos produzidos por alunos das escolas que participam do Projeto MPT na Escola.

Trabalho Infantil doméstico: vergonhosa chaga social

Em artigo, Maria Zuíla Lima Dutra, desembargadora do Trabalho do TRT da 8ª Região, fala da invisibilidade do trabalho de meninas em casas de famílias em todo o país.