Notícia

14/06/2018 11:15:46 - Atualizado em 14/06/2018 11:43:46


12 de Junho: Lançamento da Campanha no Rio de Janeiro é marcado por atividades culturais e participação da sociedade

Realizado no Museu do Amanhã, evento foi aberto ao público e contou com oficinas, apresentações e manifestações culturais

Por Luan Costa
 
Um evento de mobilização, conscientização e acesso à cultura. Assim pode ser definido o lançamento da Campanha Mundial e Nacional de Combate ao Trabalho Infantil no Rio de Janeiro, realizado no dia 12 de junho, no Museu do Amanhã. Organizado pelo Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e de Proteção ao Trabalhador Adolescente (FEPETI/RJ), em parceria com o Comitê de Proteção Integral a Crianças e Adolescentes nos Megaeventos e o Acordo de Cooperação para Combate ao Trabalho Infantil no Estado do Rio de Janeiro, o evento teve ainda a parceria de diversas instituições, governamentais e não governamentais.
 
Na abertura, autoridades discursaram sobre a importância e a necessidade de se combater o trabalho infantil no país. Houve também a fala de uma jovem retirada do trabalho infantil por intermédio da fiscalização.
 
Ainda na parte da manhã, houve uma apresentação de dados sobre o trabalho infantil, em relação ao município do Rio, ao Estado e ao país, realizada pela Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, pela Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social, e pela Secretaria de Inspeção do Trabalho, respectivamente. Em seguida, Isa Oliveira, Secretária Executiva do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do trabalho Infantil (FNPETI), oficializou o lançamento da campanha.
 
Duas oficinas foram oferecidas durante o evento. Adolescentes e jovens puderam participar da oficina "Prototipando o futuro do mercado de trabalho". Já os profissionais que trabalham com infância e juventude tiveram à disposição a oficina "Pedra, papel e tesoura", oferecida  pelo Canal Futura.
 
Na parte da tarde, uma série de atividades chamou a atenção das pessoas que visitavam o espaço, a começar pela Orquestra Sinfônica Juvenil, da Secretaria Municipal de Educação, que se apresentou no átrio do Museu. Ainda houve, no auditório, mobilizações culturais com o grupo Passinho Carioca, o Rap da Saúde, as Redes de Desenvolvimento da Maré, o Galpão Aplauso e o CRAS Zumbi dos Palmares. De volta ao átrio, o Unicirco Marcos Frota encerrou uma tarde repleta de possibilidades.
 
Para Fátima Chammas, auditora-fiscal do trabalho e membro da Coordenação Colegiada do FEPETI-RJ, o sucesso do evento deixa clara a necessidade de as instituições ligadas ao combate ao trabalho infantil atuarem juntas: “O evento foi maravilhoso. Isso só reforça a questão da articulação, do quão importante é a parceria para a gente realizar qualquer tipo de trabalho. Tanto o lançamento como a parte das apresentações foram sensacionais”. 
 
O Rio de Janeiro acertou em cheio com o evento: realizou a formalidade, por meio da articulação com as autoridades ligadas à causa, lançou a campanha e, sobretudo, trouxe a sociedade para a discussão sobre o trabalho infantil, tema que, mesmo em 2018, ainda gera discussões que já deveriam ter sido ultrapassadas.
 
 
Para visualizar as apresentações de dados sobre trabalho infantil, acesse nossa biblioteca. Curta nossa página no Facebook e veja todas as fotos do evento.


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Intoxicação por agrotóxicos atinge as escolas rurais

Noventa crianças e jovens, intoxicadas em Goiás em 2013, estão abandonadas, denuncia o então diretor da escola - demitido e silenciado

Comentário Geral nº 19 da ONU recebe primeira tradução em língua portuguesa

Documento disponível para download aborda a elaboração de orçamentos públicos para efetivar os direitos das crianças

FNPETI debate a prevenção do envolvimento de crianças e adolescentes no tráfico de drogas

Grupo de trabalho realizou o primeiro de três encontros na quinta-feira (12)

FNPETI lança campanha #votepelosdireitos no aniversário do ECA

Mobilização chama a atenção para a necessidade de escolher candidatos que tenham compromisso com os direitos humanos, principalmente de crianças e adolescentes