Notícia

22/01/2019 18:31:20 - Atualizado em 22/01/2019 18:31:20


Fantástico denuncia casos de exploração sexual contra crianças e adolescentes na Arquidiocese da Paraíba

A Igreja Católica terá de pagar uma indenização de R$ 12 milhões pelos crimes, determinada pela Justiça do Trabalho.

Foto: Imagem da reportagem do Fantástico/TV Globo
 
A reportagem do programa Fantástico, da TV Globo, foi veiculada no dia 20 de janeiro. Relatos de vítimas e testemunhas apontam o envolvimento de um grupo de sacerdotes no escândalo de exploração sexual de crianças e adolescentes.
 
Segundo entrevista do procurador Eduardo Varandas, os padres pagavam lanches e dinheiro para fazer sexo com coroinhas, seminaristas e com flanelinhas que ficavam em frente ao prédio da Arquidiocese da Paraíba. De acordo com o procurador, a característica da exploração sexual é a ausência da vontade livre para praticar o ato.
 
“Algo que tenha submissão ou algo que faça com que um estado de necessidade leve a criança ou adolescente a praticar esses atos. Que estado de necessidade é esse? É a miséria, é a fome, é a proteção do estado, é a ausência de políticas públicas. No caso de menores de 18 anos, independente da vontade deles, tanto o Estatuto da Criança do Adolescente, como o Código Penal consideram a exploração sexual exatamente porque eles não têm a vontade validada pelo direito pra praticar um ato dessa natureza”, explicou Eduardo Varandas ao Fantástico.
 
A reportagem mostra que quatro padres da Basílica Nossa Senhora das Neves, em João Pessoa, teriam praticado relações sexuais com os jovens, incluindo um ex-arcebispo.
 
A denúncia foi motivada pela carta de uma frequentadora da Igreja Católica na Paraíba, em que ela relatava o que ouviu sobre o envolvimento dos padres com os jovens, ainda em 2014. Na época, um inquérito criminal contra os sacerdotes foi instaurado, mas foi arquivado em 2017 por prescrição dos crimes. O processo, no entanto, seguiu na Justiça do Trabalho da Paraíba.
 
Veja a reportagem completa no site do Fantástico.

Fonte: Fantástico/TV Globo


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Mais de 43 mil crianças e adolescentes sofreram acidentes de trabalho nos últimos 11 anos no país

Entre os casos, estão mutilações, traumatismos, intoxicações e fraturas. Também há casos de acidentes fatais.

FNPETI se manifesta contra a extinção da Conaeti – Comissão Nacional de Erradicação do Trabalho Infantil

Nota pública referente ao Decreto nº 9.759/2019, publicado no dia 11 de abril, no Diário Oficial da União.

FNPETI lança nova marca institucional

A nova marca celebra seus 25 anos de atuação pela eliminação do trabalho infantil no Brasil.

Rede Nacional debate ações para o enfrentamento do trabalho infantil no país.

O Brasil tem mais de 2,4 milhões de crianças e adolescentes entre cinco e 17 anos trabalhando, de acordo com dados do IBGE.