Fórum Estadual de Pernambuco

  • Noticias

  • Agenda

  • Biblioteca

  • Contato

Notícia

09/08/2016 11:43:01 - Atualizado em 11/08/2016 09:02:15


MPT aciona 10 prefeituras de PE por falta de combate ao trabalho infantil

Municípios poderão ser multados em R$ 20 mil por obrigação não cumprida; cada cidade terá que pagar R$ 50 mil de indenização por dano moral coletivo

A falta de políticas públicas para erradicar o trabalho infantil motivou um pacote de ações civis públicas em face de dez municípios pernambucanos. Altinho, Brejo da Madre de Deus, Ibirajuba, Itaíba, Jurema, Machados, Poção, Quipapá, Sanharó e São Bento do Una foram acionados judicialmente pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) em Pernambuco para regularizar a situação.
 
Os municípios já estavam sendo investigados pelo MPT e se recusaram a assinar Termo de Ajuste de Conduta com o órgão, o que seria um reconhecimento ao problema e, ao mesmo tempo, um sinal de solução para eles.
 
“Em linhas gerais, a grande maioria dos procedimentos surgiu de denúncias feitas pelo Ministério do Trabalho que, durante as ações fiscais, verificou crianças e adolescentes em situação irregular de trabalho. Foram feitas requisições de documentos por nossa parte e buscadas alternativas administrativas para solucionar a questão. No entanto, diante da recusa dos municípios, não restou alternativa ao MPT que não ajuizar as ações”, disse o procurador.
 
De acordo com o procurador do Trabalho à frente dos casos, José Adílson Pereira da Costa, as ações civis públicas pedem que a justiça condene os municípios a cumprir uma série de obrigações, sob pena de multa de vinte mil reais por obrigação descumprida, por mês de atraso no cumprimento (em relação ao prazo) e de cinco mil reais por criança ou adolescente prejudicada.
 
Entre os pedidos feitos pelo MPT ao judiciário, está o de que os municípios garantam, no próximo orçamento municipal, e nos que lhe sucederem, verbas suficientes para implementação do(s) programa(s) municipal(is) de erradicação do trabalho infantil e proteção do trabalho do adolescente, bem como para atendimento específico das famílias dessas crianças e adolescentes, especialmente que trabalhem em feiras livres, mercados, matadouros, ruas e logradouros; realizem, no prazo de 90 dias, o diagnóstico do trabalho infantil, identificando as crianças encontradas em situação de trabalho, em especial nas feiras, mercados, matadouro, ruas e logradouros, com dados suficientes para a identificação da situação de cada uma delas.
 
O MPT pede ainda que eles implementem, no prazo de 90 dias, as ações socioeducativas e de convivência com padrões mínimos de qualidade (infraestrutura, recursos humanos), bem como capacitar os monitores dos programas; propiciem o efetivo funcionamento do Conselho Tutelar e do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, assim como do CRAS e CREAS, dotando-os de estrutura adequada (física, de pessoal e equipamentos), também no mesmo prazo.
 
Feiras livres – Uma das principais providências pedidas pelo MPT é que a justiça obrigue as prefeituras a fazer o controle das feiras. Os municípios devem realizar cadastro e identificação dos concessionários/permissionários/autorizatários que atuam nas feiras, mercados e matadouros, mantendo a lista atualizada.
 
Em 90 dias, eles deverão incluir e aplicar nos regulamentos desses espaços a penalidade de cassação da licença de permissão de uso ou concessão ou outro tipo de autorização para explorar atividade econômica a qualquer pessoa física ou jurídica que explorar mão de obra de menores de 18, quando a atividade for ilícita ou proibida.
 
Dano Moral Coletivo – O MPT ainda pediu que cada um dos municípios pague indenização por dano moral coletivo no valor mínimo de cinquenta mil reais, proporcional à gravidade do dano causado e à ilicitude de suas práticas frente aos direitos das crianças e adolescentes.
 
Acordos com municípios – O município de Sertânia assinou acordo junto ao MPT para combater o trabalho infantil nas feiras, juntando-se a Cachoeirinha, Passira, Pesqueira, São José do Egito, Triunfo e Vertentes, que também firmaram termo de ajuste junto ao órgão.
 
 

Fonte: G1


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Cabe à Justiça do Trabalho autorizar artistas mirins, defendem juízes

Ação da Abert no STF que questiona competência da Justiça do Trabalho pode resultar em retrocesso

Fundação Abrinq divulga panorama da infância

Estudo reúne dados sobre a situação da infância e adolescência no Brasil, com informações sobre trabalho infantil

Exploração sexual é recorrente em embarcações da Amazônia

Em entrevista à Rádio Nacional, juíza paraense premiada pelo CNJ lembra que luta contra esse crime precisa envolver toda a sociedade

Câmara aprova PL de Escuta Protegida para crianças vítimas de violência

O projeto também prevê que um profissional qualificado participe da conversa