Fórum Estadual do Rio Grande do Sul

  • Noticias

  • Agenda

  • Biblioteca

  • Contato

Notícia

15/10/2014 11:25:40 - Atualizado em 15/10/2014 11:25:40


TRT4 e MPT-RS promovem campanha contra o trabalho infantil na partida entre Inter e Fluminense

Ação utilizou o material da campanha "Todos juntos contra o trabalho infantil", do FNPETI


A ensolarada tarde deste domingo no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, foi de vitória colorada sobre o Fluminense, pelo placar de 2 a 1, em jogo do Campeonato Brasileiro. A partida também promoveu a reflexão sobre um forte adversário a ser combatido fora das quatro linhas: o trabalho infantil. Em parceria com o Sport Club Internacional, o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) e o Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Sul promoveram, no estádio, a campanha "Todos Juntos contra o Trabalho Infantil".

Antes de a bola rolar, um grupo de magistrados, procuradores e servidores das duas instituições distribuíram o cartão vermelho contra o trabalho infantil às famílias que chegavam com crianças ao estádio. Os torcedores mirins também ganharam balas e pirulitos. Dentro do gramado, mais de 80 meninos e meninas do Projeto Criança Colorada vestiram a camiseta da campanha e estenderam a faixa com a mensagem "Todos Juntos contra o Trabalho Infantil". E as crianças que entraram em campo com os jogadores também estavam vestidos com a camiseta da ação.

No placar eletrônico, um vídeo sobre o combate ao trabalho infantil foi assistido duas vezes pelos mais de 28 mil torcedores presentes no estádio. A locutora oficial do Beira-Rio anunciou pelos alto-falantes, durante o intervalo da partida, que a lei proíbe o trabalho para menores de 16 anos, salvo na condição de aprendiz, a partir dos 14. Após a mensagem, informou os canais para denúncias: o Disque 100 (da Secretaria de Direitos Humanos) e os números de telefone da Ouvidoria do TRT-RS e do Ministério Público do Trabalho gaúcho.

Segundo a última Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio, realizada pelo IBGE e referente a 2013, o Rio Grande do Sul tem 55 mil crianças e jovens entre 5 e 14 anos no trabalho, 9 mil a mais que em 2012. Entre 15 e 17 anos, são 166 mil, a maioria em situação irregular. Antes dos 14 anos, o trabalho só é permitido com autorização judicial. È o caso, por exemplo, de artistas mirins.

A partir dos 14, o jovem pode atuar como aprendiz – um contrato especial, de no máximo dois anos, que visa à formação técnico-profissional, aliando trabalho e educação. A partir dos 16 anos, o adolescente pode trabalhar com carteira assinada, mas fora do horário noturno e em atividades não classificadas como insalubres e perigosas, o que só é permitido após os 18 anos.

Presenças

A ação no estádio Beira-Rio teve a presença da presidente do TRT-RS, desembargadora Cleusa Regina Halfen, do procurador-geral do MPT-RS, Fabiano Holz Beserra, dos desembargadores Rosane Serafini Casa Nova (gestora regional do Programa Nacional de Erradicação do Trabalho Infantil), Denise Pacheco (ouvidora do TRT-RS), George Achutti e Emílio Papaléo Zin, dos juízes do Trabalho Renato Barros Fagundes, Aline Doral Stefani Fagundes e Carolina Hostyn Gralha Beck, e de servidores das duas instituições.

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região do Rio Grande do Sul


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Como abordar o tema do trabalho escravo na escola?

Escolas participantes do projeto Escravo, nem pensar! articulam discussão sobre trabalho escravo com conteúdos das disciplinas

Prêmio MPT na Escola será entregue na segunda-feira

Foram 51 trabalhos classificados para a etapa nacional, dos quais 30 serão premiados em cerimônia em 11 de dezembro em Brasília

Trabalho infantil, racismo e manipulação nos dados da PNAD

Em artigo, procuradora do Trabalho Elisiane Santos declara que mais de 1 milhão de trabalhadores infantis estão invisíveis na pesquisa

Nota explicativa sobre os dados de trabalho infantil da PNAD Contínua 2016

Ao apresentar número absoluto de trabalho infantil, não foram somados os dados de crianças e adolescentes que trabalham para o próprio consumo