Fórum Estadual do Rio Grande do Sul

  • Noticias

  • Agenda

  • Biblioteca

  • Contato

Notícia

18/10/2016 15:04:38 - Atualizado em 18/10/2016 15:05:16


Exposição “Um Mundo Sem Trabalho Infantil” chega a Porto Alegre

Lançamento ocorrerá em 24 de outubro, mas acervo estará disponível para visitação a partir desta quarta-feira (19)

A cidade de Porto Alegre (RS) recebe, a partir desta quarta-feira (19), a exposição itinerante “Um Mundo Sem Trabalho Infantil”. Organizada com acervo do Tribunal Superior do Trabalho e parceiros, a exposição chama a atenção, por meio de fotos, painéis, documentos e conteúdo interativo, para chamar a atenção sobre os prejuízos causados pelo trabalho em crianças e adolescentes. 

A iniciativa é do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS), com o apoio do Programa Arise, que é uma conjunta da Organização Internacional do Trabalho (OIT), JTI e Winrock International para ajudar a prevenir e eliminar o trabalho infantil nas comunidades produtoras de tabaco. 

O lançamento oficial ocorre na próxima segunda-feira (24), às 15h30,  mas o acervo estará disponível para visitação a partir de 19 de outubro, no segundo piso do Praia de Belas Shopping, em frente à Livraria Saraiva. 

Serviço:
O que: Exposição “Um Mundo sem Trabalho Infantil
Quando: 19 de outubro
Onde: Praia das Belas Shopping, Avenida Praia das Belas, número 1181, Porto Alegre (RS)
 
 


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Crianças imigrantes vivem em condições aterrorizantes, diz órgão europeu

Expostas a abusos sexuais e trabalho forçado, elas não têm acesso à educação ou saúde

Cabe à Justiça do Trabalho autorizar artistas mirins, defendem juízes

Ação da Abert no STF que questiona competência da Justiça do Trabalho pode resultar em retrocesso

Fundação Abrinq divulga panorama da infância

Estudo reúne dados sobre a situação da infância e adolescência no Brasil, com informações sobre trabalho infantil

Exploração sexual é recorrente em embarcações da Amazônia

Em entrevista à Rádio Nacional, juíza paraense premiada pelo CNJ lembra que luta contra esse crime precisa envolver toda a sociedade