Fórum Estadual de Rondônia

  • Noticias

  • Agenda

  • Biblioteca

  • Contato

Notícia

29/09/2017 16:44:20 - Atualizado em 29/09/2017 16:44:20


Trabalho infantil é tema de audiência pública na Câmara Municipal

"Estamos desconstruindo o futuro. Os trabalhadores infantis abandonam as escolas, a maioria não consegue terminar o ensino médio", ressaltou representante do FEPETI-RO

Em audiência pública na tarde do último dia 19 na Câmara Municipal de Porto Velho, autoridades de diversos órgãos competentes debateram sobre a Erradicação do Trabalho Infantil em Porto Velho, sessão proposta pelo vereador Márcio Miranda.
 
Com apoio dos pares, o vereador enfatizou a necessidade de trabalho conjunto tanto do executivo e legislativo, como do judiciário. “Precisamos encontrar alternativas para esse problema que vem, visivelmente, crescendo na nossa cidade”.
 
O juiz do Trabalho, Vitor Leandro Yamada, afirma que o problema é ainda mais presente na área rural, e que a há um projeto em andamento junto à Emater para a conscientização de famílias de pequenos produtores.
 
“O programa de combate ao trabalho infantil e estímulo à aprendizagem está sendo desenvolvido nessas áreas. Os trabalhos doméstico e rural são os mais perversos e de maior incidência no estado. A família é maior responsável pela exploração do trabalho infantil, incentivando crianças e adolescentes ao trabalho sem que essas crianças tenham condições de continuar estudando. Temos que combater essa realidade dessa prática nefasta e tão prejudicial ao nosso país”, declarou.
 
Coordenadora do Fórum Estadual de Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente Trabalhador, Carmelita de Oliveira Domingues diz que os registros dão conta de  milhares de crianças e adolescentes de 05 a 17 anos sendo exploradas. Incluindo  crianças de 5 a 9 anos de idade na atividade rural. As meninas de 9 a 12 anos trabalhando como empregadas domésticas também são alarmantes. Estamos desconstruindo o futuro. Criando adultos doentes que logo não conseguirão mais trabalhar para se manter. Eles abandonam as escolas, a maioria não consegue terminar o ensino médio. É preciso que as autoridades políticas incluam nas leis  orçamentaria  municipal e estadual verbas para o combate ao trabalho infantil” no Estado.
 
Para Marcos Valerio  Tessila, promotor de Justiça, destacou que tudo começa pela educação. “É preciso dar apoio, orientação e estímulo. Oferecer cidadania. É a educação que oferece isso e prepara para o exercício de uma atividade remunerada. Há muito tempo não via essa quantidade tão expressiva de crianças nos semáforos. Algo não está saindo como deveria, e os atores responsáveis devem começar a se mobilizar, mesmo que através das cotas. Se uma empresa não cumpre a cota por não oferecer um trabalho remunerado adequado para aprendizes, que a cota dessa empresa seja destinada para investimento no Cras ou Creas, enfim, o que não pode é deixar de investir”.
  
 

Fonte: Rondônia Agora


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

Juiz da Infância alerta sobre a proibição do trabalho infantil no carnaval de Salvador

O juiz Walter Ribeiro, da 1ª Vara da Infância e Juventude de Salvador, publicou portaria estabelecendo parâmetros protetivos para que crianças e adolescentes participem das festas de carnaval.

Incêndio no Flamengo, clube mais rico do país, acende alerta de segurança em categorias de base

Reportagem do jornal El País aborda as condições dos jogadores mantidos em categorias de base nos clubes de futebol brasileiros.

Banco Mundial lança plataforma interativa para observar avanços dos objetivos globais

A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável foi adotada pelos países-membros da ONU no fim de 2015.

Brasil é o 11º no ranking de abuso e exploração sexual infantil, revela relatório mundial

Reportagem da revista Crescer mostra dados do relatório Out of the Shadows, publicado pela revista britânica The Economist.