Fórum Estadual de Santa Catarina

  • Noticias

  • Agenda

  • Biblioteca

  • Contato

Notícia

02/05/2017 14:36:14 - Atualizado em 02/05/2017 14:36:14


Audiência pública debate aplicação da Lei da Aprendizagem em empresas da Região Serrana

Representantes de empresas de Lages, Caçador, Campos Novos, Curitibanos, Fraiburgo, São Joaquim e Videira participaram da audiência pública

Representantes de empresas de Lages, Caçador, Campos Novos, Curitibanos, Fraiburgo, São Joaquim e Videira participaram da audiência pública “Promoção e Efetivação da Aprendizagem Profissional”, na quarta-feira (26), no Teatro Marajoara, em Lages.

Organizada pelo Fórum Estadual de Erradicação do Trabalho Infantil, do qual o Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (TRT-SC) faz parte, a audiência buscou incentivar a contratação de aprendizes nos municípios notificados, onde existem 3.212 vagas disponíveis nas empresas que se enquadram na Lei 10.097/2000, a Lei de Aprendizagem. Deste total, apenas 1.590 estão preenchidas, enquanto os outros 1.622 postos de trabalho para jovens entre 14 e 24 anos da região continuam abertos.

O TRT-SC foi representado pelas juízas Patrícia Pereira de Sant'Anna, Andrea Haus Bunn e Michelle Adriane Araldi, todas do Fórum Trabalhista de Lages. Patrícia Sant'Anna, a diretora do Foro, também compôs a mesa de abertura. A magistrada falou de uma situação que considera bastante peculiar na região: o trabalho de famílias inteiras em propriedades rurais. De acordo com ela, o pai é o único com a carteira assinada, mas todos acabam trabalhando, e as crianças invariavelmente não frequentam a escola.

“Embora seja recorrente, essa situação dificilmente chega ao Judiciário, pois creio que os próprios pais temem ser denunciados por explorar a mão de obra dos filhos”, diz a magistrada, completando que a média é de uma ação trabalhista por ano envolvendo trabalho infantil rural. O agravante, segundo Patricia de Sant´Anna, é que o trabalho no campo está enquadrado na lista das piores formas de trabalho infantil, conforme a Convenção Coletiva 182 da Organização Internacional do Trabalho, não podendo, sob hipótese alguma, ser realizado por menores de 18 anos.

O evento foi conduzido pelo procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho em Santa Catarina (MPT-SC), Marcelo Goss Neves, pelo procurador Jaime Roque Perottoni, coordenador da Procuradoria do Trabalho em Lages, e pelo auditor-fiscal Alberto de Souza, coordenador de fiscalização de combate ao trabalho infantil e inserção de pessoas com deficiência (PCD) no mundo do trabalho, representando o Ministério do Trabalho em Santa Catarina.

Quem pode contratar?

A Lei da Aprendizagem determina que as empresas de médio e grande porte contratem um número de aprendizes equivalente a um mínimo de 5% e um máximo de 15% dos trabalhadores existentes, cujas funções demandem formação profissional. Apesar de a obrigatoriedade ser para empresas maiores, toda organização pode ter aprendizes, desde que o faça com rigorosa observação à lei.

De acordo com a legislação, a contratação tem um prazo determinado de, no máximo, dois anos. Para participar, os candidatos entre 14 e 24 anos incompletos precisam ter concluído ou cursar o ensino fundamental ou médio.

Fonte: TRT 12ª Região


Deixe seu comentário

Login

Comentários (0)

Destaques

SINAIT comemora 30 anos de existência com seminário

“Seminário Internacional 30 anos da Constituição Cidadã e um ano da Reforma Trabalhista” reúne especialistas em Brasília

Aberta a votação do Eleitor Mirim, onde criança também tem voz!

Programa é realizado em anos eleitorais, com a contribuição de professores

FNPETI participa da cerimônia de posse do Comitê de adolescentes do CDCA

Mais de 30 adolescentes tomaram posse no Conselho do DF

FNPETI participa de roda de conversa com adolescentes e jovens do Programa Primeiro Passo

A importância do voto no exercício da cidadania e o papel dos políticos foram os temas da conversa