Alagoas

Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Proteção ao Adolescente Trabalhador de Alagoas – FETIPAT/AL

Coordenação Geral:

Nelma Nunes – Representante da Secretaria de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos

Governamental:

Maria do Socorro Marques - Representante de Estado da Saúde/ Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST)
E-mail: msocorromluz@gmail.com

Marluce Pereira - Representante da Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social
E-mail: marlucepereira.al@gmail.com

Nelma Nunes - Representante da Secretaria de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos
E-mail: da_gloria_nelma@hotmail.com

Sociedade Civil:

Sandro Diniz- Representante do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercal (SENAC)
E-mail: sec-dr@al.senac.br

Fabiana Porto -  Representante do Centro de Integração Empresa Escola (CIEE)
E-mail: fabiana_maria@cieesp.org.br

Paulo Paraízo – Representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Seccional Alagoas
E-mail: moraesparaizo@ig.com.br

Secretaria:

Jéssica Michelle dos Santos Silva – Representante da Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos do Estado de Alagoas / Semudh

Situação do trabalho infantil no Estado 

Alagoas ocupa a 20ª posição no ranking do trabalho infantil na faixa etária de 5 a 17 anos, com uma taxa de ocupação* de 4,6%, segundo análise realizada pelo FNPETI da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2016 (PnadC) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mais informações na publicação “O Trabalho Infantil no Brasil: uma leitura da Pnad Contínua (2016)”

* Considerando o percentual de ocupados em relação à população total da faixa etária.

Características do trabalho infantil nos estabelecimentos agropecuários 

Em 2017, havia no estado de Alagoas 8.722 crianças e adolescentes com menos de 14 anos de idade em situação de trabalho, segundo dados do Censo Agropecuário de 2017. Destas, 7.283 se encontravam ocupadas em estabelecimentos da agricultura familiar, montante que representava 83,5% do total de crianças e adolescentes nesta condição. Na agricultura não familiar, haviam 1.439 crianças e adolescentes trabalhadores, ou 16,5% do total observado. 

Acesse aqui o relatório resumido da publicação “O Trabalho Infantil na Agropecuária Brasileira: uma leitura a partir do Censo Agropecuário de 2017”, referente a Alagoas.